Header Ads

Para que serve os 5s?


As raízes do 5S remontam a um cenário desolador, que foi o Japão após a Segunda Guerra Mundial.

No contexto do Controle da Qualidade Total, o 5S surgiu para organizar espaços, diminuir desperdícios, aumentar a produtividade e promover a melhoria. Para alguns estudiosos, o 5S foi fundamental na recuperação do país asiático após o conflito global.

Embora já tenha algumas décadas, a ferramenta de gestão da qualidade ainda é muito utilizada nos dias de hoje. Confira na sequência o que é o 5S, para que ele serve e como pode auxiliar em projetos de melhoria.

O que é o 5S?

O 5S por vezes é chamado de técnica, metodologia, método ou programa de qualidade. Seja qual for a terminologia escolhida, ele contribui bastante para promover a eficiência e a eficácia dos processos produtivos. Proporciona qualidade de vida e segurança no trabalho.

Qual é o significado do 5S?

A denominação 5S faz referência a cinco palavras japonesas. Veja, a seguir,o significado do 5S:

Seiri (senso de utilização e de descarte);
Seiton (senso de ordenação);
Seisou (senso de limpeza);
Seiketsu (senso de saúde);
Shitsuke (senso de autodisciplina).

Conforme a tradução, o significado em português pode ser ligeiramente alterado. O Seiri pode estar ligado à tarefa de separar, enquanto o Seiton pode estar associado à ideia de organização.

Qual é o papel do 5S?

A ferramenta 5S atua principalmente no aperfeiçoamento da qualidade, embora traga reflexos positivos para outras áreas, como produtividade e clima organizacional. Por exemplo, com menos desperdícios, a empresa gasta menos.

O “Seiri” possibilita que as pessoas e as empresas definam o que é útil e o que não é para o dia a dia do trabalho. Documentos velhos guardados, restos de matérias-primas e máquinas “aposentadas” são exemplos de itens que permanecem nas organizações, mesmo que não sejam necessários. Nesses casos, o senso de utilização e de descarte permite que a empresa faça um enxugamento de tudo o que possui, para ficar somente com o que é de fato usado.

Já o “Seiton” proporciona um senso de organização nas empresas, que é muito benéfico para a produtividade e a segurança. A ideia é que todos os materiais usados nos departamentos sejam identificados e classificados. A sinalização correta do ambiente de trabalho também é uma das propostas do “Seiton”.

O “Seisou”, por sua vez, está ligado às atividades de limpeza das empresas como um todo, das estações de trabalho ao pátio do empreendimento. A regra dos cinco porquês (5-Why) ou análise da Causa Raiz pode ser utilizada para melhorar o ambiente de uma organização, ao buscar os motivos pelos quais determinadas “sujeiras” existem. Vale lembrar que, nessa etapa do 5S, a limpeza é vista como responsabilidade de cada funcionário da empresa.

O “Seiketsu” está ligado à saúde e ao bem-estar de todos os colaboradores de um negócio. Para que essa etapa do 5S dê resultado, todas as fontes de doenças devem ser identificadas e combatidas na organização. Equipamentos de proteção individual e coletiva, alimentação, ginástica laboral etc. podem fazer parte das estratégias desse “S”.

O “Shitsuke” talvez seja uma das mais difíceis etapas do 5S. Está relacionado à permanência das melhorias realizadas na empresa. Afinal, não basta apenas fazer eventos esporádicos para aperfeiçoar a qualidade, se ela não é tida como uma política da organização. Para ter êxito, o “Shitsuke” pressupõe a autodisciplina de cada colaborador na manutenção de um ambiente produtivo, seguro e agradável.

Como você percebeu, o 5S pode complementar as ações dos projetos de melhoria.  Conscientizar as equipes de trabalho acerca da necessidade de aperfeiçoamento da qualidade e na criação de uma cultura de eficiência e eficácia na empresa.

Vídeo Sugerido: Metodologia 5S - Apresentação



Fonte de Pesquisa: Escola Edti